Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




por Oldfox, em 17.02.11

Comunidade de Leitores na Culturgest, Lisboa


Dia de Comunidade de Leitores, dia de David Lodge e de "A Vida em Surdina", ainda no âmbito do ciclo dedicado ao "medo".
Um professor aposentado, surdo e a braços com a sua crescente incapacidade; a mulher, rejuvenescida e activa; a discípula provocante e perturbada; o pai viúvo, solitário, a perder o juízo: os filhos a viverem as suas vidas. Se nos dois primeiros livros que lemos, "A Insígnia Vermelha da Coragem" de Stephen Crane e "O Deus das Moscas" de William Golding, analisámos acontecimentos em situações "excepcionais" – guerra, desastres – agora estamos em território "normal", até mesmo banal, inerente à vida de todos nós. O que David Lodge faz, com a sua incomparável mestria, é retomar os grandes temas da tragédia e da comédia clássicos e juntá-los numa mesma obra. A frase-chave de "A Vida em Surdina", que em inglês se chama "Deaf Sentence" , uma ambiguidade (deaf-surdo/dead-morto) impossível de traduzir à letra, é a seguinte: " a cegueira é trágica, a surdez é cómica".
É claro que todos somos cegos e surdos a qualquer coisa ou em relação a alguém, a cada instante. No livro existem muitas evidências deste fenómeno. Por isso, a nossa vida é tão complicada, por isso é que os nossos medos se avolumam. E será sobre isto tudo que iremos conversar, hoje, a partir das 18:30 na Culturgest, em Lisboa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:06


3 comentários

De CARLOS MACHADO a 17.02.2011 às 15:09

Tenho pena de não pertencer à Comunidade e não ter estado presente nestas sessões.

Considero que este livro "A vida em surdina" é o que "mete" mais medo (não li "A insígnia vermelha") por, precisamente estarmos no território do "normal". O que realmente faz medo na vida é o intangível, o não palpável. Que pena que tenho de não ter podido ter estado presente.

De CARLOS MACHADO a 17.02.2011 às 15:10

Tenho pena de não pertencer à Comunidade e não ter estado presente nestas sessões.

Considero que este livro "A vida em surdina" é o que "mete" mais medo (não li "A insígnia vermelha") por, precisamente estarmos no território do "normal". O que realmente faz medo na vida é o intangível, o não palpável. Que pena que tenho de não ter podido estar presente

De Comunidade de Leitores a 18.02.2011 às 10:17

Olá Carlos Machado. Obrigada pelo seu comentário. Quando tiver interesse, pode juntar-se a nós, basta inscrever-se na Culturgest. Talvez na próxima Comunidade. um abraço. Helena

Comentar post



Um blogue da literatura, dos livros, dos leitores, dos editores, dos livreiros, dos alfarrabistas, dos desesperados, dos felizes e do que mais aprouver.

Mais sobre mim

foto do autor